sexta-feira, 1 de março de 2013

Bomba de Infusão de Insulina


A bomba de insulina é um aparelho eletrônico relativamente pequeno ligado ao corpo por um cateter com uma agulha flexível na ponta. A agulha é inserida na região subcutânea do abdomen, braço ou da coxa, e deve ser substituída a cada dois ou três dias.

Como ela funciona? Uma quantidade de insulina basal, programada pelo médico, é liberada 24 horas por dia, tentando imitar de forma mais próxima o funcionamento do pâncreas de um indivíduo sadio, no entanto a cada refeição é preciso fazer o calcúlo da quantidade de carboidratos que serão ingeridos (veja nosso ”vídeo-post” sobre contagem de carboidratos clicando AQUI) e programar o aparelho para lançar uma quantidade de insulina rápida ou ultra-rápida no organismo (veja mais sobre esses tipos de insulina no nosso post sobre Insulinoterapia clicando AQUI).
A bomba não mede a glicemia ou diz quanto de insulina deve ser usada. Este teste deve continuar sendo realizado usando o glicosimetro.
 Os mais novos modelos de bomba de insulina possuem uma calculadora de bolus, que é um software inserido nas bombas, aonde a pessoa apenas insere o volume de carboidratos que irá ingerir e o valor da glicemia daquele momento.


Quem pode usar?
Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, o candidato ideal para usar a bomba de insulina é aquele que :

- Consegue medir a glicemia capilar no mínimo 4 vezes por dia
- Na fase de ajuste de doses de insulina a serem usadas na bomba, passe a medir no mínimo 6 a 8 vezes por dia.
- Segue as recomendações médicas e mantém contato com a equipe responsável pela bomba, seguindo a dieta recomendada pela nutricionista, inclusive respeitando as quantidades.
- Tem condição financeira para custear.
-  Está disposto a usar o aparelho 24 horas por dia junto ao corpo.
- Mas principalmente está disposto a passar por um processo de educação em relação ao diabetes.
- Não apresentar história de Bulimia.
- A pessoa deve conhecer contagem de carboidratos e já estar emu so de esquema intensivo de aplicação de insulina.
- Pratica atividade física.


Vantagens
As principais vantagens, segundo a SBD :

- Maior flexibilidade de horário das refeições
- Se for usada de maneira adequada a bomba reduz o risco de hipoglicemias, e a longo prazo as complicações decorrentes do diabetes.
- Melhora do controle glicêmico e níveis de hemoglobina glicada
- Se consegue melhor controle do chamado fenômeno do amanhecer, responsável pela elevação da glicemia entre as 4 e 8 horas da manhã, que causa hiperglicemia se o diabético não tiver calculado a dose de insulina na noite anterior, ou não se levantar de madrugada para administrá-la. Com a bomba esse problema é melhor resolvido.


A bomba traz vantagens para todos ?

Infelizmente, não. Se o diabético for obeso, ingerir grande quantidade de alimento ou carboidratos simples, não fizer exercícios físicos, não medir a glicemia, ou medir menos vezes do que o recomendado, ou decidir determinar ele mesmo a quantidade de insulina utilizada, não existe muita vantagem no uso da bomba.
É importante reforçar que a bomba não é a única parte do tratamento e o acompanhamento médico jamais deve ser deixado de lado.






Finalmente, uma citação importante do Editor de Tecnologia e Diabetes da SBD, Marcio Krakauer: “Bomba não é para todos, mas para muitos. Temos no Brasil em torno de 4.000 bombas de insulina instaladas, porem sabemos que pelo menos 7 a 10% dos Diabéticos tipo 1 necessitariam da utilização da bomba. Portanto muito temos a fazer neste campo.”

Segue um vídeo que mostra como é feita a aplicação da bomba de insulina:




Por: Isabela Landim
Fonte: www.diabetes.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário